segunda-feira, 17 de março de 2014

How I lost my wallet at the second largest city in Germany and I got it back intact


Se você quiser ler este texto em português, clique aqui


Before of everything, congratulations to Germany.

Ok, there wasn't money in the wallet, but even so, it came back with all cards and my little papers.

The worst two things that can happen in an interchange period is: 1) get sick 2) lost all your documents. Really, I don't wish this even to my enemies
My wallet.  


Everything began in a really wrong day in Hamburg

Last Friday I went very early to Hamburg with three objectives: 1) to buy something from a woman whom I've found in ebay; 2) to take pictures (because during the two weeks before the weather was great and I was feeling bad of missing it); to meet Anita and the other girls and finally get to know the famous night at Reeperbahn, St. Paulis. 

Results: 

1) The woman didn't appear. I stayed for one hour at the tram station until she said that she didn't know that I'll be there (as far as I know, even with my poor german, freitag means Friday). 

2) The day dawned so ugly, but SO ugly that it was even foggy. Nevertheless, I tried to take some pictures. 

3) The girls got too long to go out home and as I had walked all day (I did'nt buy any subway ticket), I reached the conclusion that I was too tired to go party and I decided to go back to Bremen at 23h38 (the train's departure). 


Hamburg in a really ugly day. And yes - I am a photographer and I use Instagram.
I'm completely in favor of it and this is another discussion, xoxo


So that was when the shit happend. I was so tired, SO tired, that I forgot my wallet on the cashier's desk at the supermarket of the central station. And I didn't even noticed. 

I just realized that I had lost my wallet when the train's employee came to ask my semesterticket (here in Germany you don't have to show you ticket before you get in the train, you show it during the trip). Then, the guy called the central station and they confirmed that my wallet was there at the lost-and-found section - or Fundbüro. He was nice, he didn't charge me any penalty (he noticed that I was telling the truth) and gave me a number to call the next morning. 

When I arrived in Bremen, at 2:00 a.m., I realized that I couldn't take a bus to go home because I would have to show the goddammit ticket. So I had to take a tram that dropped me more than 1km far away from my house

When I though it couldn't get worse, started to rain a windy rain and a guy started to follow me. I got scared (I've already heard about people who were stolen here in front of their houses!) and I accelerated the pace. The guy was almost running behind me - at 2:00 a.m., under the rain, in a deserted street. He started to talk with me. I ignored him. He spoke again and started to do a lot of questions. I invented all the awnsers. For a moment, I thought he would follow me until my house. Then he turned in the corner and disappeared. 

In the next morning, at 8:00 a.m., I called the number that the guy gave me. 1) the employee on the phone didn't speak english. 2) He told me that there wasn't the right place and I had to call another number. I got so frustrated - I thought that everything would be solved in that day. 

Then I found the number of the central found-and-lost of Deutsche Bahnn. I waited at the line for 5 minutes listening to an annoying music. When they finally talked to me, the girl didn't speak any english and she transfered the phone call to another person (I still asking myself if I was a tourist that didn't know any word of german, how I would manage it, really). And then, pff. The call went dead. The credits of my celphone were over. I acessed my online bank account and inserted more 20 euros. When I already had given all my personal data and only still missing my celphone number (in case they've found the wallet)... the connection fail down again. I inserted more 15 euros. Then I realized I could do that online and I wouldn't have to pay almost 3 euros/minute in that call. On the Deutsche Bahn website they say that it is 0,59 euros/minute, but it's a lie. Conclusion: I spent 40 euros in a call that didn't worth anything (I was too desperate).

I discovered that another found-and-lost centre existed in Hamburg and the place should be there. However, I would have to wait until Monday to call and asked for my wallet. But I sent an email. I got stuck all saturday and sunday at home meditating freaking out.

Today (Monday), when I woke up, the first thing I saw was the email with the awnser of the found-and-lost centre of Hamburg telling me that they werent responsible for the missing thing in trains/stations/subways. I almost had a heart-attack. I was so sure that was there.

I figured out that after some time they send the things to another centre, in Wuppertal. Where the hell is it? Good question, I had to google it - and it is in the west side of Germany. And after 10-14 days, they throw the things away

But it couldn't be. The guy in the train called the central station and they even confirmed the color of my wallet (thank god I bought a red one). It just could be there! And it was ¬¬ There was my wallet. And again - the guy didn't speak any english. Sometimes I didn't understand a word. But I've understood the main thing - the searching number. 

Now, part 2: how could I go to Hamburg from Bremen 1) without my semesterticket 2) without any money since all my bank cards were in the wallet ?

First I thought about to ask Anita (my friend that lives in Hamburg) to pick it up, but it didn't make much sense because someone should bring it to Bremen. Then I thought about to ask my friends here to pick it up for me, but most of them don't know german very well and I didn't even know if somebody could pick it in my place. I thought about to borrow some money, buy the ticket and go there. But then I decided to risk myself and count with the goodness of people. So I took my passport (because, yes, I'm not so dumb of walking around with it, so my passport was safe at home) and my university enrollment to prove that I had the semesterticket. I stayed half of the trip really nervous waiting the employee to ask my ticket. I barely needed to explain the situation and the guy said "it's ok". Great.

I arrived at the central station of Hamburg and I discovered that they have a place called Gepäckcenter (or something like that) just next to DB Information Center. I got there and the first thing the guy asked me was the searching number. I showed my passport. Signed a paper. And there it was, kept in a plastic bag, like a criminal evidence. I opened it to see if everything was ok. It's true that the wallet was totally messed up, but every single card and papers were there. I almost cried.

I can't even imagine how would be the confusion to get a new Visa Travel Money, to pay another for another bank card, to go the city centre and ask for another identity - and had to pay for it too, the healthy insurance card, the credit card from Brazil... It would be a really hard work. And without the Visa Travel Money I wouldnt be able to pay my bills here and I'd have a negative balance in my bank account. 

So, that's it... Germany should be congratulated - for the people from the supermarket who gave my wallet back, for anything that did'nt disappear, for nobody had charged me in the trains. I wont only congratulate the people who didn't speak english and that call that costed me 40 euros (really, I could have payed two tickets to Amsterdam).





Ps.: My day in Hamburg wasn't completly lost: I visited the Haus der Photographie - a gallery settled in an old  warehouse -; I bought a lot of new books for only 1,5 euros; and I discovered a very cute and nice cinema next to the Rathaus called Kino Passage (pretty obvious, huh?) and I watched 12 years a Slave in german (by the way, they charged me 50 cents more because the movie was longer than the normal ones. What?). 

Ps2.: Really, repeating, I don't know how somebody that doesn't speak any word of german would manage a situation like that. Attention, tourists.

Ps3.: I was really stressed because it NEVER/NUNCA/JAMAIS/NIE happend in all my life. Even with all those parties, all those travels, even with that new year in Berlin... I NEVER lost my identity card, bank card,  student card, documents, keys, etc. Then in a sober momment, in another country, in different city where I live, happens something like this. And just in a weekend, just to let me anxious for two intire days.

Ps4.: I'd like to thank Anita for all support in this hard moment. 


Tips for whom pass through something similar: 

1) S-Bahn Hamburg Fundsachen (found-and-lost of the central station)


Phone: 040/39182857 (the exactly number that the employee gave me)
Fundsachen der S-Bahn HH in der Wandelhalle. Nach 1 Woche geht die Fundsache nach Wuppertal 0202/352442
(translating: after one week they send the things to Wuppertal: phone number: 0202/352442)



2) DB Station & Service AG, Zentrales Fundbüro
(lost-and-found centre of DB in Wuppertal)



3) Hot line number of found-and-lost of DB 
+49 9001990599 - atention: there was when I lost my 40 euros. Instead of what the website says, the call is much more expensive than 0,59/min.

http://www.hamburg.de/behoerdenfinder/hamburg/11280629/


And it is useless because all the atendent do is exaclty what you can do online here: https://www.fundservice.noncd.db.de/vug/view/fundservice.faces?javaScriptEnabled=true&sprache=en


In other words, to register your loss:

4) And finally, the found-and-lost centre of Hamburg (in Altona):

It is the place that I was sure that I would find my wallet and I got frustrated when they responded. They aren't responsible for lost things in trains/subways/stations, etc.


Words I wont never forget anymore:

1) Geldtasche/Geldbörse = wallet
2) Fundbüro = Found-and-lost
3) Verlieren = to lose 


Just for the record:

Today, one weekday after I've made my online loss registration, I received a letter from Deutsche Bahn saying that my wallet had been found and where it was. Which means: the thing really works! (but instead of an email warning me, they sent a letter ¬¬ everything here is solved through letter).

















Link for online registration again: 
https://www.fundservice.noncd.db.de/vug/view/fundservice.faces?javaScriptEnabled=true&sprache=en

Como eu perdi minha carteira na segunda maior cidade da Alemanha e consegui recuperá-la intacta

If you wanna read this article in english click here.


Antes de tudo, palmas pra Alemanha.

Tudo bem que não tinha dinheiro na carteira, mas mesmo assim, ela voltou com todos os cartões, todos os papeizinhos, inteirinha.

As duas piores coisas que podem acontecer quando se está fazendo intercâmbio: 1) ficar doente 2) perder os documentos. Sério, não desejo isso nem pras inimigas.


Eis a dita cuja. Fica aí a merchandising pra Uncle K (teria sido outro prejuízo
perder a própria carteira - porque foi cara). 
Tudo começou num dia muito errado em Hamburgo.

Fui bem cedo, na sexta-feira passada, pra Hamburgo com três objetivos: 1) comprar um negócio com uma mulher que eu achei no ebay; 2) fotografar (porque durantes duas semanas o tempo estava sendo incrível e eu estava me sentindo cada vez mais culpada de não aproveitar melhor isso); 3) encontrar Anita e as meninas e finalmente conhecer de verdade a noite na famosa Reeperbahn, St. Paulis.

Resultado:
1) A mulher me deu um bolo. Fiquei uma hora na estação esperando por ela até ela dizer que não sabia que eu ia (até onde eu sei, com o meu pobre alemão, Freitag significa sexta).
2) O dia amanheceu tão feio, mas TÃO feio que tinha até neblina. Ainda assim tentei tirar umas fotos.
3) As meninas demoraram muito pra sair de casa e como eu tinha passado o dia andando (eu não gastei dinheiro com uma passagenzinha de metrô), cheguei à conclusão de que tava cansada demais pra encarar a noite e resolvi voltar pra Bremen às 23h38 (hora de partida do trem).


Hamburgo num dia muito feio. E sim - sou fotógrafa e uso o Instagram.
Sou total a favor dele e isso é outra discussão, bjs
Foi aí que se deu a merda. Eu tava tão cansada, mas tão cansada, que esqueci minha carteira em cima do caixa do supermercado da estação central. E nem sequer percebi.
Eu só me dei conta de que tinha perdido a carteira quando o funcionário do trem foi me cobrar o semesterticket (aqui na Alemanha você não é fiscalizado quando entra no trem, é fiscalizado durante a viagem). O cara, então, ligou pra estação e confirmou que minha carteira tava lá no setor de achados e perdidos - ou Fundbüro. Ele foi legal, não me cobrou multa (porque também, sacanagem né, ele viu que eu tava falando a verdade) e me deu um número pra eu ligar na manhã seguinte.

Quando cheguei em Bremen, às 2h da manhã, me dei conta de que simplesmente não podia pegar o ônibus pra casa porque iam pedir pra mostrar o maldito ticket. Tive que pegar então um tram que me deixou a mais de um quilômetro de distância do meu porãozinho.

Quando eu achava que não podia piorar, começou a cair uma chuva de vento e um cara começou a me perseguir. Eu fiquei assustada (já ouvi falar de gente que foi assaltada na porta de casa aqui em Bremen - pasmem!) e acelerei o passo. Quando vi, o cara estava praticamente correndo atrás de mim - isso de 2h da manhã, na chuva e numa rua deserta. 
Ele começou a falar comigo. Ignorei. Ele falou de novo. Começou a fazer mil perguntas. Inventei todas as respostas. Por um momento achei que ele fosse me seguir até em casa. Até que ele dobrou a esquina e sumiu. É sério que ele queria fazer amizade (ou qualquer outra coisa que fosse) desse jeito?

No dia seguinte, às 8h em ponto (hora que o cara disse que abria os achados e perdidos), liguei pro número que ele me deu. 1) O funcionário não falava inglês 2) Ele disse que não era lá e que eu tinha que ligar pra outro número. Fiquei frustradíssima pois achava que tudo iria se resolver naquele dia mesmo.

Achei então o número da central de achados e perdidos da Deutsche Bahn. Passei uns 5 minutos ouvindo musiquinha esperando pra ser atendida. Quando finalmente me atenderam, a mulher não falava inglês e teve que passar pra outra (eu fico me perguntando, se fosse um turista que não soubesse uma palavra em alemão, como ele teria se virado nessa situação, sério). E aí, pff. A ligação caiu. Meus créditos tinham acabado. Entrei no banco pela internet e coloquei mais 20 euros no celular. Liguei de novo. Quando eu já tinha dado todos os meus dados e faltava só o telefone pra me ligarem de volta caso achassem a carteira... caiu de novo. Coloquei mais 15 euros. Até que me dei conta de que podia fazer aquilo tudo online - e não precisava gastar quase 3 euros por minuto naquela ligação. No site da Deutsche Bahn eles dizem que a ligação vai custar 0,59 euros/min, mas é mentira. Conclusão: gastei 40 euros numa ligação que não serviu pra nada, tamanho o meu desespero. 

Vi então que tinha o centro de achados e perdidos de Hamburgo e deveria ser lá. No entanto, teria que esperar até segunda-feira pra ligar e perguntar. Aproveitei e mandei um email. Passei o sábado e o domingo trancada em casa (já que não podia pegar ônibus) meditando tendo um treco.

Quando acordei hoje, na segunda-feira, a primeira coisa que vi foi o email de resposta do centro de achados e perdidos de Hamburgo dizendo que esse departamento de coisas perdidas em estação/trem/metrô não era com eles. Quase infartei. Eu tinha certeza que era lá.

Descobri que depois de um tempo as coisas eram enviadas pra outro centro em Wuppertal. Onde diabos é isso? Pois é, tive que dar um google - descobri que  era lá pelo lado oeste da Alemanha. E depois de um tempo eles se livravam das coisas, tipo depois de uns 10-14 dias.

Mas não podia ser. O cara do trem ligou pra estação e confirmaram até a cor da minha carteira (thank god eu comprei uma carteira VERMELHA). Só podia estar lá! Liguei de novo pro mesmo número de sábado - aquele que antes tinham dito que não era lá. E era lá. ¬¬ Lá estava minha carteira. E de novo - o cara não falava inglês. Teve uma hora que eu não entendi pn. Mas eu tinha entendido o mais importante e anotado o número de procura (?) do objeto (na hora eu não entendi que porra era esse número, mas depois eu me liguei).

Agora parte dois: como ir de Bremen pra Hamburgo 1) sem o semesterticket 2) sem um tostão no bolso porque todos os meus cartões estavam na carteira ?

Primeiro pensei em pedir pra Anita ir buscar pra mim, mas não fazia muito sentido já que alguém teria que trazer de Hamburgo pra cá. Depois pensei em pedir pra uns amigos aqui, mas a maioria não desenrola muito alemão e eu nem tinha certeza se alguém poderia pegar no meu lugar. Pensei em pedir dinheiro emprestado pra comprar a passagem e ir pra lá. Mas resolvi me arriscar e contar com a boa fé das pessoas. Peguei meu passaporte (porque, sim, não sou tão besta de sair andando por aí com passaporte - logo, ele estava são e salvo em casa) e peguei meu certificado de matrícula da universidade pra comprovar que eu tinha o semesterticket. Passei metade da viagem nervosa esperando o cara vir fiscalizar. Mal precisei explicar a situação e ele soltou um "it's ok". Foi super limpeza.

Cheguei na estação e descobri que eles têm uma área chamada Gepäckcenter (ou algo do tipo) pras coisas perdidas, do lado do centro de informações da DB. Cheguei lá e a primeira coisa que o cara pediu foi o tal número que me deram no telefone. Mostrei meu passaporte. Assinei um papel. E lá estava a danada, guardada num saco plástico - como se fosse a evidência de um crime. Abri pra conferir se estava tudo certo. É verdade que a carteira estava toda remexida, mas todos os cartões e papeizinhos estavam em ordem. Quase chorei de emoção.

Quero nem imaginar como seria a confusão pra conseguir um Visa Travel Money novo, ter que pagar por um cartão novo do banco alemão, ter que ir no centro da cidade pedir uma identidade nova - e pagar por ela também, plano de saúde, cartão de crédito do Brasil... Olhe, ia ser uma novela. Fora que eu tinha contas pra pagar essa semana e sem o Visa Travel Money eu não ia ter de onde tirar o dinheiro e meu saldo ia ficar negativo no banco aqui.

Mas é isso aí, a Alemanha tá de parabéns - pelo pessoal do supermercado ter devolvido, por não ter sumido nada, por não terem me cobrado nenhuma multa no trem porque eu tava sem ticket. Só não vou aplaudir a galera que não falava inglês e essa ligação que me custou os olhos da cara (sério, dava pra ter pago uma passagem de ida e volta pra Amsterdam).



Ps.: Meu dia em Hamburgo não foi completamente perdido: eu visitei a Haus der Photographie - uma galeria de fotografia instalada num antigo armazém do porto -; comprei um monte de livro novo por 1,5 (eu boto fé que eu vou conseguir ler um dia) e descobri um cinema sensacional e fofo perto da Rathaus - ele se chama Kino Passage (pretty obvious, huh?) e eu assisti 12 Anos de Escravidão dublado em alemão (por sinal, me cobraram cinquenta centavos a mais porque disseram que o filme era mais longo que o normal. Oi?).

Ps 2.: De verdade, repetindo, eu não sei como alguém resolveria uma bronca igual a minha sem saber o mínimo de alemão. Atenção, turistas.

Ps 3.: Fiquei estressadíssima esses dias porque isso NUNCA/JAMAIS/NEVER/NIE aconteceu em toda a minha vida. Mesmo com todas as festas, com todas as viagens, com aquele ano novo em Berlin... eu NUNCA perdi minha identidade, cartão de banco, carteira de estudante, VEM, nenhum documento, chave, enfim. E justamente num momento de sobriedade, em outro país, numa cidade que não é nem a que eu moro, me acontece um negócio desses. E logo num final de semana, pra deixar minha ansiedade no máximo durante dois dias.

Ps 4.: Quero agradecer a Anita por todo apoio prestado durante esse momento difícil!


Dicas pra quem passar por algo parecido: 

1) S-Bahn Hamburg Fundsachen (achados e perdidos da estação central de Hamburgo)

Telefone: 040/39182857 (foi exatamente esse número que o cara me deu)
Fundsachen der S-Bahn HH in der Wandelhalle. Nach 1 Woche geht die Fundsache nach Wuppertal 0202/352442
(traduzindo: depois de uma semana eles mandam pra Wuppertal: número de telefone 0202/352442)

2) DB Station & Service AG, Zentrales Fundbüro

(Central de achados e perdidos da DB em Wuppertal)


3) Número da central telefônica de achados e perdidos
+49 9001990599 - atenção: foi aí que eu perdi meus 40 euros. Ao contrário do que diz no site, a ligação é bem mais cara que 0,59/min.

http://www.hamburg.de/behoerdenfinder/hamburg/11280629/


E não adianta de nada, porque o que a mulher faz no telefone é exatamente o que você pode fazer aqui nessa página: https://www.fundservice.noncd.db.de/vug/view/fundservice.faces?javaScriptEnabled=true&sprache=en


Ou seja, cadastrar o seu objeto perdido.


4) Por último, a central de achados e perdidos de Hamburgo (fica em Altona) 
Era onde eu tinha certeza que ia encontrar minha carteira e fiquei frustrada quando me responderam. E que não se responsabiliza por objetos perdidos em trem/estações/metrôs, etc.



Palavras que nunca mais eu vou esquecer:

1) Geldtasche/Geldbörse = carteira
2) Fundbüro = Achados e Perdidos
3) Verlieren = perder (verloren = perdido)

E fica aí mais uma lição pra vida.


Só pra deixar registrado:
Hoje, um dia útil depois de eu fazer o meu registro de perda online, recebi uma carta da Deustche Bahn dizendo que minha carteira tinha sido encontrada e onde ela estava. Ou seja: o bagulho realmente funciona! (só que ao invés de mandarem um email avisando, eles mandam uma carta ¬¬ tudo aqui é resolvido por carta)


















Repetindo o link pra fazer o registro online:  https://www.fundservice.noncd.db.de/vug/view/fundservice.faces?javaScriptEnabled=true&sprache=en




sábado, 15 de março de 2014

eu aprendi que a gente se acostuma com tudo, menos com a saudade


A gente esquece a saudade, finge que ela não existe, deixa de lado.

Até que ela volta com uma palavra, uma imagem, um sonho.
Volta com tudo, sem piedade.

Te faz lembrar que o é mundo grande.
Que o tempo não volta.
Que a gente é  pequeno.
Pequeno pra tanta distância. Pequeno pra caber tanto sentimento.

Porque a saudade do que tá longe a gente resolve, mas a saudade do que passou não acaba nunca.

O que eu mais amo fazer na vida:

...viajar e ir ao cinema.

No fundo, as duas coisas representam uma só: liberdade.

Tire isso de mim e eu serei uma pessoa extremamente infeliz.



quarta-feira, 12 de março de 2014

Epic night: how I met the guys of Franz Ferdinand

Se você quiser ler este post em português, clique aqui.


First: I'm sorry for my bad english, there is a long time I stopped to study it.

My history with the band

I always liked Franz Ferdinand. And there is a long time I like them. How I knew them? Through Guitar Hero. hahaha yes, that's true. And after that they became my atual favourite band. They are the only band I still buy the cds (I have all less the last one - that I'll buy in Brazil, when I go back). I've never played the groupie kind of person, but I always wanted to go their concert - they should be even more exciting alive!

When I was 16 they played in Rio de Janeiro and I had asked my parents to go. My mother told me that she would go with me. But when the tickets started to be sold - surprise: my dad told me that of course and obviously I wouldn't travel just to see a band ~it never makes sense in his head~ and even more in my last year in the high school. I got fucking frustrated.

Last year, just after I discovered that they would at Lolla Palooza, I immediatly bought the tickets - but just after that I got fucking frustrated again: I discovered that they would play in RECIFE (my city) and I wouldn't be there... because I would be already in São Paulo for the festival. Well, I would see them anyway... at least not bad at all

To compensate my frustration I made a signal with "Recife <3 you" (ahahha, really silly, I admit) and I brought it to the concert at Lolla. I stayed in front of the stage and Alex saw me. Mission accomplished (they played in Recife at the day before and they arrived in São Paulo and Recife continued there at their concert).

Lolla Palooza last year hahaha


Lolla Palooza last year, I was the closest as possible... but still very far

Of course the concert at Lolla was great, we're talking about Franz Ferdinand after all, but was a festival - which turned everything so unpersonal. The stage was huge, there was a lot of people that doesnt even knew the songs, there was.a.lot.of.people.too.much.people.

Ps.: A long time ago, they answered in myspace (Alex) and last year, after the concert at Lolla, Alex also answered me in Twitter :)





My second concert

After I discovered that they would play here in Germany - in Hamburg, that it's quite near and I can go there for free with my awesome semesterticket - I had no doubts at all, I bought the ticket as soon it started to be sold. I payed 50 euros (43 really, 7 was the delivery tax). It worth every penny.

The concert was in a place called Docks  that stays at the famous Repeerbahn. Bands like Metallica, Red Hot, Black Sabbath, Ramones, Ozyy and David Bowie also played there. And Franz Ferdinand had already played there before! - I knew that because Alex Kapranos commented that he was honored to play "Walk Away" there because he had written the song the last time he was there, at the basement. And Docks is really small! It's very intimist. Perfect.


I arrived at the place two hours and a half before the doors be opened. For my surprise, there were only 5 people, maximum. The line grew up just a little around 19h (maybe 30 or 40 people) - when the doors were opened.  Me and Fernando took a place just in front of the stage easily. The club was quite empty and it just became full around 20h, just before the concert starts. And when they appeared... surprise! Weren't they! Everybody was like "Am I at the right place?", "Is it a band cover and not real Franz Ferdinand?" - because nobody knew that a band called Citizens - from London, as they use to say every 5 minutes - would open the concert to Franz. The band sounded good, I'm going to check some musics in youtube.
Citizens

























Ignore my face and notice that was so much space just in
front of the stage just before the concert begins. When it
would happen in Brazil? Never.


One more time, I made a signal "Recife <3 you". Directly from the brazilian northeast to the german north! It was the first thing that Alex saw as soon as he came to the stage hahaha I was really happy. 
The concert was veeery long and I was trying to remember which music they didn't play. It was really awesome :) It couldn't be better. At the end, I opened my signal again and Nick threw one drumstick to me (I'm feeling like a retarded fan hahaha I swear that I am not like that, but I couldn't feel retarded with so much atention).



me and Fernando waiting the concert starts

This time I was really close

I was just in front of Nick

The guys are reaaally nice!

At the end, me and Fernando waited at the Dock's back door to see with we could get at least a picture with them - we came from so far away (ok, from Bremen, one hour by train), we were already there, we should give it a try. We though we would be the only ones waiting, but after half an hour 5 more people came and we started to talk. There was a very nice couple that had brought printed pictures with them (from another concert) for them to sign. There was a guy from Hamburg that had already been in TWELVE concerts and because of this he even didn't ask to take pictures with them or anything. There was a crazy girl that was in her first Franz's Ferdinand concert and she was asking the security gard every five minutes if the guys were coming. And me ~the crazy one from Recife~ and Fernando. 

They became one by one. First Paul appeared - whom seems to be reaaally funny, and crazy. When I told him to come back to Brazil, he awnsered something like "it's an eternity flying", almost said "me? noo way", HAHAHAHA

Fernando, Paul and me


After was Bob's turn. He's cute, but so serious. I don't understand him.

Bob and me

After that, Nick appeared. He's my favourite. As soon as he went out, he saw me and said "ahhh, you are the girl from Recife, right?". X.X Then I said that I hadn't seen them in Recife :( We stayed all together talking and it seemed that we were friends a long time hahaha. He spent some time talking to the people in german (he grew up/studied in Munich) and said good bye. 

Nick and me
Nick and me

Then Alex came. He also recognized me as the brazilian girl haha. He stayed there talking with us for a long time. Actually I didn't expected him to be so nice. In my head he was kind of a star person, I don't know. 

The subjects of the conversation: the germans appointed some typing mistakes in a t-shirt and in one cd - like wtff HAHAHA and Alex immediatly said "This was Nick that typed! Tomorrow we are going to correct this!"; the clothes they were wearing (from a designer, I don't remember the name, but I thought it was cool); the versions of Lucid Dreams (at the concert and at the cd); at some point he also told that he didn't really like to play "All for you Sophia" (at least, it was what I understood); and I asked him which band he would like to go to a concert - he told me A LOT of bands but I can only remember one (Django Django). 

Well, this is all of my bad memory could remember. Alex stayed for a long time talking and I guess if more subjetcs had been brought he would stay more. 

When he was going away, I said something like "I hope to see you soon in Brazil", he was already a little bit far and then stopped, turned back and as he suddenly had remembered something, he said "ahh, we are going to Brazil at the end of the year, in november".

Well, I hope not to be murdered by the brazilian fans if they wont really come. hahaha

Me and Alex

My souveniers from yesterday: the drumstick from Nick
and the ticket signed by all members :) 








Noite épica: eu conheci os caras do Franz Ferdinand!

If you want to read this post in english click here.

Meu histórico com a banda

Eu sempre gostei de Franz Ferdinand. E há muito tempo que eu gosto. Como eu conheci eles? Pelo Guitar Hero. Hahaha isso mesmo. E a partir daí eles se tornaram a minha banda da atualidade preferida. Eles são a única banda que eu ainda faço questão de comprar os cds (eu tenho todos, menos o último - que eu vou comprar no Brasil).
Eu nunca fiz o tipo tiete não, mas eu sempre quis ir a um show deles - ao vivo eles deveriam ser ainda mais contagiantes.

Quando eu tinha 16 anos eles tocaram no Rio de Janeiro e eu tinha pedido aos meus pais pra ir. Minha mãe disse que iria comigo. Mas quando os ingressos começaram a vender - surpresa: meu pai disse que claro obviamente que eu não ia viajar só pra ver uma banda ~ isso nunca fez sentido na cabeça dele ~ e ainda mais em ano de vestibular. Fiquei frustradíssima.

Ano passado, assim que soube que eles iam tocar no Lolla Palooza, comprei logo os ingressos - mas depois fiquei frustradíssima de novo: descobri que eles iam tocar NO RECIFE e eu não estaria lá... porque eu já estaria em São Paulo pro festival. Bom, eu ia ver eles de algum jeito né, menos mal.

Pra compensar a frustração, fiz um cartaz com um "Recife <3 you" (hahaha bem breguinha, admito) e levei pro show no Lolla. Fiquei na grade e o Alex me viu, haha. Missão cumprida. (eles tinham tocado no Recife no dia anterior e chegaram em São Paulo e Recife continuava lá).

Lolla Palooza do ano passado hahaha


Lolla Palooza ano passado, eu tava o mais perto possível... mas ainda
muito longe


Claro que o show do Lolla foi ótimo, afinal, estamos falando de Franz Ferdinand, mas era um festival - o que tornava tudo muito impessoal. O palco era enorme, tinha muita gente que nem conhecia as músicas, tinha.muita.gente.gente.demais.

Ps.: Há muito tempo atrás, eles me responderam no myspace (o Alex) e ano passado, depois do show do Lolla, o Alex também me respondeu no Twitter :)




Meu segundo show

Quando eu descobri que eles iam tocar aqui na Alemanha - em Hamburgo, que é aqui do lado e eu vou de graça com o lindo maravilhoso semesterticket - não tive nem dúvidas, comprei o ingresso assim que começou a vender. Paguei 50 euros (43 na verdade, o resto foi taxa de entrega). Valeu cada centavo.

O show foi num lugar chamado Docks, que fica na famosa Reeperbahn. Segundo a Wikipédia (hehe), Metallica, Red Hot, Black Sabbath, Ramones, Ozzy e David Bowie já tocaram lá. E a própria Franz Ferdinand já tinha tocado lá antes - fiquei sabendo disso quando Alex Kapranos comentou que estava honrado em poder tocar "Walk away" porque ele tinha escrito essa música da vez passada em que estiveram lá, no porão da Docks. E a Docks é um lugar suuuper pequeno. Pra galera do Recife, eu compararia com o The Pub (que hoje não existe mais, acho que virou Iguana sei lá o quê) - é quase do mesmo tamanho. Ou seja, bem intimista. Perfeito.

Cheguei na porta uma hora e meia antes de abrirem. Pra minha surpresa, tinham no máximo umas 5 pessoas.  A fila só cresceu um pouquinho (deviam ter umas 30, 40 pessoas), perto das 19h - que foi quando abriram lá. Eu e Fernando conseguimos ficar na grade, bem no meio, facilmente. E ficou tudo muito muito vazio. Só encheu mesmo quando deu 20h - a hora prevista pra começar o show. E quando eles entraram no palco... surpresa! Não eram eles. Ficou todo mundo com uma cara de tipo "to no lugar errado?", "eles encolheram?", "será que é um cover e eu não sabia?" - porque simplesmente em canto algum avisaram que uma tal de uma banda chamada Citizens - from London, como eles ressaltavam a cada 5 minutos - ia abrir pra Franz. O cantor super incorporou o rock star e ninguém sabia as letras. Mas admito que a banda parece boa, fiquei de dar uma sacada no youtube depois. Acho que rolou alguma jogada de Franz pra colocar eles pra tocarem lá - aparentemente as bandas são amigas.

pegadinha do malandro: não era o Alex
Ignorem a minha cara de retardada e observem o espaço
que tinha frente do palco poucos minutos antes do show
começar. Quando isso aconteceria no Brasil? Nunca.























Mais uma vez, fiz um cartaz "Recife <3 you". Direto do nordeste brasileiro pro norte alemão! Foi a primeira coisa que o Alex viu quando entrou no palco hahaha fiquei super feliz. A cara de espanto dele e do Nick foi sensacional hahaha era essa mesma a intenção.
O show foi suuuper longo, eu fiquei tentando lembrar quais músicas eles NÃO tocaram haha. Foi incrível mesmo :) Não podia ter sido melhor. No final, abri meu cartaz de novo e o Nick jogou uma baqueta pra mim (to me sentindo muito fã retardada, hahahaha juro que não sou assim, mas não tinha como não ficar retardada com tanta atenção).



eu e Fernando esperando o show começar 
Dessa vez sim eu fiquei perto
Fiquei bem na frente do Nick
Os caras são muito gente fina

No final, eu e Fernando esperamos na porta de trás da Docks pra ver se conseguíamos tirar pelo menos uma foto com eles - a gente veio de tão longe né (ok, de Bremen), já tava lá, não custava tentar. Achávamos que seríamos os únicos esperando por eles, mas depois de meia hora chegaram mais 5 pessoas e ficamos todos bests. Tinha um casal mais velho muito engraçado que tinha levado fotos impressas que já tinham tirado com a banda pra dessa vez eles autografarem. Tinha um cara de Hamburgo com um amigo que já tinha ido pra DOZE shows deles e por isso nem se importou em pedir foto nem nada. Tinha uma menina que tava indo pro primeiro show deles e tava doidona lá perguntando a cada 5 minutos pros seguranças se eles tavam vindo. E eu ~a maluca do Recife~ e o Fernando.

Eles saíram de um por um. Primeiro passou o Paul - que tem cara de ser uma figuuura, muito doido mesmo. Quando eu disse pra ele pra voltarem pro Brasil ele respondeu algo do tipo "afe, é uma eternidade voando", quase disse "eu não". HAHAHAH 


Fernando, Paul e eu
Depois saiu o Bob, que é fofo, mas é super apagadinho. Ele simplesmente passa o show super sério. Não entendo.
Bob e eu

Depois foi a vez do Nick, que é o meu preferido :D assim que ele saiu, ele virou logo pra mim e fez "aaaah, a menina do Recife, nééé?". Morri. Aí eu disse que não tinha visto eles em Recife :( A gente ficou lá super conversando, ficou uma rodinha lá e parecia que todo mundo era muito amigo há muito tempo. Ele passou um tempo conversando em alemão com a galera (ele estudou/cresceu em Munique) e se despediu.

Nick e eu


Nick e eu
Depois chegou o Alex (sacaram a hierarquia por ordem de chegada, né?). Ele também me reconheceu como a brasileira hahaha. E ficou lá conversando com a gente durante um tempão. Eu juro que não esperava que ele fosse tão legal. Na minha cabeça ele era meio estrela, meio metido, sei lá.

Os assuntos que rolaram: os alemães apontaram um erro de digitação numa camisa e outro num encarte de um cd - tipo wtf HAHAH e o Alex na mesma hora "Isso foi o Nick que digitou! Amanhã mesmo a gente vai corrigir isso"; a roupa que eles tavam usando (era de um designer aí, não lembro o nome, mas achei bem legal); as versões ao vivo e do cd de Lucid Dreams; em algum momento ele disse que não gostava muito de tocar "All for you Sophia"; e eu perguntei quais as bandas que ele gostaria de assistir - ele respondeu UM MONTE DE BANDA, eu acho que eu não conhecia nenhuma, não me lembro direito do nome de nenhuma (o sotaque dele não ajudava, é sério), acho que a última que ele falou foi Django Django (vou dar uma sacada depois também).
Ele ficou um tempão mesmo com a gente e acho que se tivesse surgido mais assunto, ele teria ficado mais. Tava um clima fim de show tipo, vamos agora todo mundo tomar uma cerveja ali no bar da esquina - foi só o que faltou. Quando ele tava indo embora, eu falei alguma coisa tipo "espero ver vocês logo no Brasil", ele já tava bem longe, aí ele parou, se virou, ficou super sério e fez "Ahhh, a gente tá indo no fim desse ano, em novembro!".

Bom, espero não ser linchada pelos fãs caso eles não apareçam no Brasil em novembro depois de dar um furo desses.

Eu e Alex


Lembrancinhas de ontem: a baqueta que
Nick jogou pra mim e o ingresso com o autó-
grafo de todos :)
Ps.: Eu esperava que eles fossem tocar alguma música em alemão (pra quem não sabe, eles têm algumas versões em alemão)

Ps2.: Tinha um cara do meu lado, na grade, que não se mexeu a noite inteira, não cantou uma música, nada. Parecia que ele tava com raiva de estar lá. Eu hein.

Ps3.: Tinha um pai com o filho lá (ele devia ter uns 8 anos) e o pirralho sabia todas as letras! Achei muito massa hahaha

Ps4: Brasileiros, por favor, não fiquem recalcados. Acho que isso nunca teria sido possível no Brasil por causa da grande quantidade de fãs e seguranças e etc. Mas aqui, na Alemanha, a galera parece não ser do tipo que se importa muito (e eles não parecem conhecer a banda direito, pra ser sincera), então foi muito mais fácil entrar em contato com eles.



Vídeos

Saca como eu tava perto vei ~

video


video



O melhor vídeo: eles fizeram a mesma coisa no final do show do Lolla também! Muito massa haha

video


terça-feira, 11 de março de 2014

Em defesa do sorvete pelo sorvete

By the way, peguei uma balsa em Bremerhaven sem nem
saber pra onde ela tava indo e fiz um passeio maravilhoso :)
Ontem foi o dia mais quente que eu peguei aqui desde que cheguei. Deve ter feito uns 20 ºC ou mais, não sei ao certo, - e tava mesmo bonito, sem nenhuma nuvem no céu. #primaverafeelings
Resolvi pegar o trem pra Bremerhaven (ou, literamente, "o porto de Bremen" - mas que na verdade é outra cidade).


Ao sair de casa fiquei mesmo surpresa com a quantidade de gente nas ruas. O ônibus estava lotado. Parecia até que tava acontecendo algum evento especial. Mas era simplesmente a presença do astro-rei. Brotaram crianças no parque, surgiram skatistas, apareceram cachorros, velhinhos, bebês e pique-niques na beira do rio. E sorvete. Todo mundo estava tomando sorvete.


sorveteria da estação c


E aqui é assim: se faz sol, toma sorvete. Não se toma sorvete pelo sorvete. Se toma porque tá quente, porque faz sol, porque combina. Não! Acho uma falta de respeito sorvetístico.

Quem me conhece sabe que sorvete é meu #top1 e eu nunca deixei de tomar sorvete porque tava frio (e com isso quero dizer alguns graus abaixo de zero) ou, no caso do Recife, chovendo (oi, cadê a lógica disso?).
Sorvete é pra ser tomado a qualquer momento e pronto. Se tiver frio você não precisa ir pro meio da rua pra tomar, ué.
Sorvete é bom, eu gosto e merece ser tomado a qualquer momento.
Confesso que me senti quase ofendida.

Sobre a festa do sol: dá até dó dos alemães curtindo o dia quente e ensolarado como lagartixas, mas depois de ter passado o inverno aqui, eu até entendo.

Enfim, tomem sorvete pelo sorvete, por favor.
como eu vejo os alemães em dia de sol

Ps.: As sorveterias aqui fecham no inverno. O quão triste é isso? As vendas das
sorveterias caem pela metade no Recife em dias de chuva (informação recebida de fonte oficial e segura). O quão estranho é isso?

Ps.: Ainda não tomei nenhum sorvete aqui na Alemanha que batesse os sorvetes do Recife (um beijo pro Empório do Gelatto em Casa Forte).


Fim de tarde em Bremerhaven